sexta-feira, 26 de outubro de 2007

Más adentro...

Inspirada pela M., que me fez lembrar de um filme de que gostei e de um poema que ouvi vezes sem conta... que acho que já o sei de cor! Além disso, recordações de uma sesssão de cinema em Oviedo, num dos passeios por Espanha, que tão depressa quero repetir. Dá um friozinho...


Mar adentro, mar adentro,

y en la ingravidez del fondo,

donde se cumplen los sueños,

se juntan dos voluntades

para cumplir un deseo.

Un beso enciende la vida

con un relámpago y un trueno,

y en una metamorfosis

mi cuerpo no es ya mi cuerpo;

es como penetrar al centro del universo:

El abrazo más pueril,

y el más puro de los besos,

hasta vernos reducidosen un único deseo:

Tu mirada y mi mirada

como un eco repitiendo sin palabras:

más adentro, más adentro,

hasta el más allá del todo

por la sangre y por los huesos.

Pero me despierto siempre

y siempre quiero estar muerto

para seguir con mi boca

enredada en tus cabellos...

9 comentários:

M. disse...

:) estava indecisa se deixava esse o video ou o que pus, porque gosto muito de ouvi-lo a recitar,mas optei pela minha cena preferida.é arrepiante.

ana vidal disse...

Adorei este filme, porque aborda um tema dificílimo com a maior dignidade e sem os rodriguinhos habituais. E, além, disso, tem o Javier Bardem! Mesmo imóvel é bom... actor.
;)

Sofia disse...

M. obrigada pela sugestão... também adoro a cena que puseste, mas este poema...

Ana, também adorei o filme e gostei da aborgagem. Aquele quarto é o mundo dele e isso sufoca-nos também...

beijinhos

Huckleberry Friend disse...

O filme é mesmo muito bom. Obriga-nos a olhar a morte de frente e isso já é olhar a vida mais de frente.

Já que a Ana elogia - e bem! - o Bardem, deixem-me lembrar o realizador, Alejandro Amenábar. São dele o arrepiante Tesis e o inquietante Abre los ojos, ambos com outro exclente actor, Eduardo Noriega. Gostei particularmente do segundo, no qual tudo, mas mesmo tudo (incluindo a Penélope) é melhor do que no remake feito pelo Tom Cruise, Vanilla Sky (que suponho que muito mais gente tenha visto...).

Amenábar, como Isabel Coixet, Agustín Díaz Yanes, Fernando Fernán-Gómez, David Trueba, Javier Fesser e muitos outros são a prova de que o cinema espanhol não é só Almodóvar (y no lo digo porque no sea fán, Pedro!).

Pelo que, querida sereia ibérica, passearemos por Espanha quando queiras, com cineminha romântico e tudo. Te quiero

madrinha disse...

Não conheço o Abre los Ojos, Pedro. Mas, como não gostei nada do Vanilla Sky, agora fiquei com curiosidade. Hei-de procurá-lo no video. Tens razão: o cinema espanhol está de boa saúde e recomenda-se! Cada vez melhor, aliás.
Beijos aos dois pombinhos ibéricos (vivos, e não assados...)

Miguel disse...

Ontem estive com os autores deste "Cais", do "Codornizes", do "Espaço Azul...." Só faltou a artifície do "Porta do Vento". A quase todos faltou-me dizer que é um privilégio e uma necessidade, lê-los diariamente. Recomendo, aliás, peço que continuem. Certo?

Sofia disse...

Pedro: ainda bem que lembraste esse filme! E sim, há bom filme espanhol... vamos passar a tarde a ver alguns?

Madrinha, vale a pena ver o Abre los Ojos... mesmo. Muito obrigada pelos beijinhos... os pombinhos enamorados agradecem.

Miguel: ontem acabámos por estar pouco, mas obrigada! Gosto dessa codorniz que tanto passa por aqui, e gosto de ovos que ela põe lá no seu ninho! O espaço azul lá anda muito solarengo e o Porta do Vento, um dos meus favoritos (sempre depois do codornizes!) tem umas brisas e umas rajadas que ora me fazem pensar, ora me fazem rir. Sou brisa assídua e também gosto da artifíce...

O que toca aqui a este cais, podes descansar que eu vou continuar...

beijinhos aos três

ana vidal disse...

Olá, Miguel, Sofia e Pedro. Agradeços as vossas palavras e insisto com o Miguel: se és, como dizes, um leitor diário de blogs, de que é que estás à espera para ganhar balanço e ter o teu próprio? Não só escreves bem como tens muito para dizer! E cá estaremos todos para te ler, podes ter a certeza.

Um beijo
ana

Sofia disse...

LOL Ana, no dia a segui a dizeres-me isso no teu blogue eu já tinha o meu! Assim nasceu o cais. E aqui ando, há quase um mês... nem acredito!

Miguel, segue os conselhos da Ana... gostava de poder ler as tuas coisas. Também gosto do que escreves, por isso ficamos à espera! Prometo leitura assídua e publicidade gratuita aqui neste cais... de amigos, que vão sendo cada vez mais! Beijinhos e vê lá se te aventuras!

Um apelo aos mais tímidos, que me comentam por e-mail: vá lá, só custa à primeira!