terça-feira, 9 de outubro de 2007

Maria Lisboa

A exposição David Mourão-Ferreira e o Fado está patente até dia 31 de Outubro no Museu do Fado, em Alfama. O museu vale a pena, pela exposição permanente, onde podemos encontrar uma série de colecções de discos, cartazes, instrumentos e partituras. Apesar disso, a exposição actual vale pelo homenageado.

David Mourão-Ferreira (1927-1996), no seu percurso multifacetado enquanto poeta, ensaísta, ficcionista, jornalista, professor e tradutor, chega a todos os portugueses através da “Maria Lisboa”, da “Madrugada de Alfama”, da “Primavera”, do “Abandono”, ou do “Barco Negro”. São dele estes poemas-cantados que nos fazem sentir ainda mais lisboetas, de espírito bairrista. É com ele que sentimos a magia dos bairros de Alfama e da Mouraria, sentimos Lisboa como nossa. A alma da poesia canta no nosso peito, qualquer que seja a nossa naturalidade. Assim, recordam-se os tempos em que a poesia e o fado se encontram. A exposição apresenta "uma recriação do escritório do autor, trazendo a lume os testemunhos da obra poética que consagrou ao fado, entre manuscritos originais e letras dactilografadas, as primeiras edições discográficas que consagraram estes temas, a par de um conjunto de registos audiovisuais que ilustram as interpretações de poemas da sua autoria por Amália Rodrigues, Camané, Mariza e Cristina Branco, entre outros." Deve valer a pena.

É varina, usa chinela,
Tem movimentos de gata;
Na canastra, a caravela,
No coração, a fragata.

Em vez de corvos no xaile,
Gaivotas vêm pousar.
Quando o vento a leva ao baile,
Baila no baile com o mar.


É de conchas o vestido,
Tem algas na cabeleira,
E nas velas o latido
Do motor duma traineira.


Vende sonho e maresia,
Tempestades apregoa.
Seu nome próprio: Maria;
Seu apelido: Lisboa.

8 comentários:

Mário PIpop disse...

Para mim, o melhor é o Fado Peniche, cantado pela Amália.

Mário Pipopó disse...

Sofia: quando me dás a honra de ser comentador sem ter que andar aqui a escrever coisas que saem só pela metade???
Acho que há uma funcionalidade assim, nos "commenteers"
Mário Pipopó

Sofia disse...

Não sei o que se passa... já andei a sondar e isso nõ acontece a mais ninguém! O fado de Peniche, com o poema Abandono de David, também é muito bom. Esse fado foi proibido por ser considerado um hino aos presos em Peniche. Aqui fica para todos...

Por teu livre pensamento
Foram-te longe encerrar
Tão longe que o meu lamento
Não te consegue alcançar
E apenas ouves o vento
E apenas ouves o mar
Levaram-te a meio da noite
A treva tudo cobria
Foi de noite numa noite
De todas a mais sombria
Foi de noite, foi de noite
E nunca mais se fez dia.
Ai! Dessa noite o veneno
Persiste em me envenenar
Oiço apenas o silêncio
Que ficou em teu lugar
E ao menos ouves o vento
E ao menos ouves o mar.

Ao menos ouvia-se o vento e o mar, mas era melhor a libertação (Também adoro esse!)

beijinhos

Pedro disse...

Admira-me que ainda gostes tanto do "Libertação", de tanto que já mo ouviste assassinar. Ficou-me na cabeça desde um documentário da RTP2 no ano da morte de David. Era cantado por um coro do meu querido Colégio Moderno. Adoro a frase "Este amor é teu e meu / Só na terra o queremos ter".
Um beijinho.

Sofia disse...

Meu querido Pedro, não querendo estragar o teu espírito romântico... se fosse só esse fado que tu desafinas eu já não ouvia fado! E que isto não te provoque dor, porque eu também não tenho uma ouvido muito bom e a voz ainda é pior! Mas possuimos apenas aquele que Deus, ou o Big Bang, nos deram - parafraseando o Jobim!

Beijinhos

Pedro disse...

Eu não desafino. Não tenho é voz. São coisas diferentes.

Ah, e for the matter, não é UMA ouvido. É UM. E podes não tê-lo bom, mas a tua voz é linda (pronto, depois da pilhéria tinha de vir pieguice).

Outro beijinho

Mário Pipopó disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Pedro disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.