quarta-feira, 10 de outubro de 2007

Fado de Encontro

Sugestão musical:

Get this widget Track details eSnips Social DNA


Por falar em fados, por falar em música portuguesa e por falar em amor, deixo-vos com o dueto de Mariza e Tim – "Fado de Encontro". Fica no ouvido, na voz e também se pode dançar. Deixo a letra para poderem aprender depressa e poderem cantá-la como eu, no carro, de janelas abertas e bem alto... espero que menos desafinados! Mas no 'peito dos desafinados também bate o coração'... Por isso cantem e dancem... que a vida é uma festa e este cais um salão de baile!
___
Vou andando, cantando
Tenho o sol à minha frente
Tão quente, brilhante
Sinto o fogo à flor da pele


Tão quente, beijando
Como se fosses tu
Ao longe, distante
Fica o mar no horizonte
É nele, por certo
Onde a tua alma se esconde
Carente, esperando
Esse mar és tu

Pode a noite ter outra cor
Pode o vento ser mais frio
Pode a lua subir no céu
Eu já vou descendo o rio…


Na foz, revolta
Fecho os olhos, penso em ti
Tão perto, que desperto
Há uma alma à minha frente
Tão quente, beijando
Por certo que és tu

Pode a lua subir no céu
E as nuvens a noite toldar
Pode o escuro ser como breu
Acabei por te encontrar

Vou andando, cantando
Tive o sol à minha frente
Tão quente, brilhando
Que a saudade me deixou
Para sempre,Por certo
O meu Amor és tu.

9 comentários:

quequedenoz disse...

Muito bonito! Obrigado.
Por falar em Fado, convido a ires ver o novo filme português de seu nome, precisamente, Fado. Muito, muito bom, vale a pena!
Jinho

madrinha disse...

Obrigada, afilhada! Andava há que tempos a tentar apanhar esta canção em mp3, gosto imenso dela mas nem sabia o nome. Apesar duma escorregadela da Mariza logo ao princípio, fora de tom. E dá para dançar, sim. Sabes que o fado, no início, era uma dança? E considerada bastante sensual, por sinal?

Mário Pipopó disse...

Não.
Não vos vou contar a história dos óculos desaparecidos.
Mas vale a pena referir o bom ambiente de romantismo e de paixão que passa neste Blogue.
Sente-se, sem exagero; lê-se, sem pesar; adivinha-se, sem ser forçado.
Que feliz sogro que tal nora tem, e que felicissimo filho que tal mulher tem.

PS: so falta mesmo é não ter que escrever sempre o meu nome...

Pedro disse...

Querida madrinha (legítima neste blogue, emprestada no meu e ainda bem), recordo uma passagem da magnífica Travessa do Poço dos Negros dos Trovante:

"Batiam-se com barriga e roçavam-se nas coxas
os corpos já dourados de suor
e as bocas já vermelhas dos amores

quisemos nós saber qual é o nome desta moda
respondeu-nos um velho já mirrado
lundum mas se quiserem chamem-lhe fado"

Muitas danças alegres para ti!!!

Sofia disse...

Mário Pipopó: por este blogue ter um ambiente tão romântico e tão bem disposto, espero que não venham aqui parar conversas de óculos perdidos. Aqui no cais não há desencontros, mas encontros... de amor e de amizade, mas sempre felizes, esperemos. Este cais nasceu há uma semana e desde aí tem crescido em âncoras e marinheiros, que eles venham e que continuem a vir, mas sempre por bem! Obrigada pelos elogios.

Madrinha: minha querida, ainda bem que te dei a resposta. Sim, esta música é lindíssima... Quase que me sinto a dançar com um daqueles vestidos da Mariza, numa rua de Alfama. Não sabia que era uma dança, não senhora, mas estamos sempre a aprender! E tu em ensinamentos tens-te saído muito bem! Mas tenho de voltar ao museu do Fado para aprender mais coisas, sobre essa canção da alma!

O Pedro escolheu bem a música que fala bem dessa sensualidade do Fado (sempre atento este meu rapaz!)

Beijinhos a todos

madrinha disse...

Sempre atento, sim, o teu príncipe. E muito querido também. O lundum é uma das possíveis origens do fado, com uma forte probabilidade de ser a mais verdadeira.

Dancem, cantem e divirtam-se, pombinhos. Há muito tempo para as tristezas, e convém não lhes dar muita confiança.

Beijos aos dois, e também aos navegantes que vão aportando a este cais.

Sofia disse...

Ainda dizem que já não os há encantados! Encantados ou não, desde que encantem...
Agradeço os beijinhos e aceito as ordens de dança... As tristezas ao mar alto, bem longe daqui!

Um grande beijinho à navegante madrinha

Gabriela Cravo e Canela disse...

Tudo de muito bom gosto por aqui. Tenho que cá vir mais vezes. Beijinhos e obrigada pelo convite.

Sofia disse...

Mais uma marinheira... pois que sejas bem aparecida e que apareças sempre que quiseres! Teremos muito gosto!

beijinhos