sexta-feira, 25 de janeiro de 2008

Cantinho da biblioteca (II)

Ludwig Kirchner
Die Artistin Marcella

Que dias há que n'alma me tem posto
um não sei quê, que nasce não sei onde,
vem não sei como, e dói não sei porquê.

(in soneto 'Busque Amor novas artes, novo engenho' de Luís de Camões)

7 comentários:

av disse...

E há os outros, de sol radioso, que vêm sempre compensar estes, mais tarde ou mais cedo. Sabe-se lá porquê, mas vêm...
Muitos desses, miúda.
Um beijo

Vieira Calado disse...

Como diz o av, e você mesmo comentou no meu último post.
Há dias para tudo!
Cumprimentos

Mad disse...

Nunca nada foi tão bem definido!

JRL disse...

a tela é fabulosa.... não conhecia. e o poema foi muito bem escolhido para acompanhar. um beijinho e bom fim de semana.

Sofia disse...

Av, acredita que vêm! Isto já me passa... Já cheguei à melancolia, daqui a nada está aí a alegria! Beijinhos

Mad, tens razão! E se soubesses onde ouvi esta frase ainda te rias!
Beijinhos

JRL, ainda bem que gostatse! É uma das minhas telas favoritas. Vi-a ao vivo me Madrid no Thyssen, numa exposição maravilhosa e fiquei apaixonada! Às vezes sou um bocadinho assim, mas em loira! Beijinhos e bom fim-de-semana

Sofia disse...

Há dias para tudo e melhores virão... uns melhores, outros piores... mas certeza de mudança... porque 'todo o mundo é composto de mudança'!

beijinhos

Doses de Bruno Mocelin disse...

E como dizia o barbudo do rock n' roll. "Eu prefiro ser essa metamorfose ambulante, do que ter aquela velha opnião formada sobre tudo".

Beijo.