sexta-feira, 11 de janeiro de 2008

Ao moreno no fim do mundo...


No rancho fundo
Bem pra lá do fim do mundo
Onde a dor e a saudade
Contam coisas da cidade...
No rancho fundo
De olhar triste e profundo
Um moreno conta as "mágua"
Tendo os olhos rasos d'água
Pobre moreno
Que de tarde no sereno
Espera a lua no terreiro
Tendo o cigarro por companheiro
Sem um aceno
Ele pega da viola
E a lua por esmola
Vem pro quintal desse moreno
No rancho fundo
Bem pra lá do fim do mundo
Nunca mais houve alegria
Nem de noite nem de dia
Os arvoredos
Já não contam mais segredos
E a última palmeira
Ja na cordilheira
Os passarinhos
Internaram-se nos ninhos
De tão triste esta tristeza
Enche de trevas a natureza


Nota: Esta música é para o D. - o moreno que está lá sozinho, no fim do mundo, chorando de saudade da sua morena. E para a morena que está cá, com a família e os amigos, mas que mesmo assim chora de saudade do moreno!

4 comentários:

Mad disse...

Buááááá! Isto faz-se às pessoas?? Vou chorar o dia inteiro cheia de saudades dele! Malvada!

Sofia disse...

Olha reclamou do presente... Malvada gosto, normalmente chamam-me de ruim!
Já viste que já mudei a nota de fim e tudo?

Se quiseres encostar tua cabecinha no meu ombro e chorar, estás à vontade! ;) Ou então podes sempre comer chocolates! Também ajuda...

beijinhos

diogo disse...

Obrigado pelo presente, gostei imenso. Só não pego na viola, mas o resto é mais ou menos por aí...

Saidinha, nada de comer chocolates!! Guardas os chocolatinhos todos e trazes para o Bé...

o moreno que está cá sozinho

Sofia disse...

Ainda bem que gostaste! Vocês são uns queridos! E eu também sei como a distância custa... é quase 'eu conto as horas pra poder te ver'...

Deixa lá a mnorena comer uns chocolates para acalmar a saudade... a ver se ainda mando Lemon Curd para ti... se ela deixar que ai chegue!

beijinhos