quarta-feira, 18 de junho de 2008

50 anos de bossa nova

A minha batida de hoje é bossa nova.
O ulular das poesias e dos sons.


Chega de Saudade - João Gilberto e Tom Jobim
Dentro dos meus braços, os abraços
Hão-de ser milhões de abraços
Apertado assim, colado assim, calado assim,
Abraços e beijinhos e carinhos sem ter fim


Samba do Desafinado - Tom Jobim e Nara Leão

Você com a sua música esqueceu o principal
Que no peito dos desafinados
No fundo do peito bate calado
Que no peito dos desafinados
Também bate um coração

4 comentários:

adelaide amorim disse...

Sempre bom ouvir esses caras, Sofia.
Os blogs dividem textos de direções diferentes. Fora do blogger, tenho também o Umbigo do sonho, o mais antigo, que ficou por conta das variedades blogais...
Beijo pra você.

Vieira Calado disse...

Coisas lindas que, infelizmente, hoje em dia, vão sendo sistematicamente substituídas por música anglo-saxónica...
Beijinhos

Sammia disse...

Quantas saudades...mas quando ouço Bossa Nova e em especial Chico Buarque parece que te vejo...e desta vez barriguda na primeira fila do show! hahahaha

Como você está querida? E meu afilhado? A chutar muito?
Beijos

Sofia K. disse...

Adelaide, ontem foi mesmo o que me apeteceu ouvir e hoje, de repetir!
Vou passando por eles!
beijo

Vieira Calado, mas aquelas vozes continuam a bater nos nossos corações!
beijos

Menina Sammia, que saudades... muitas, muitas! A barriguda estará sempre na primeira fila, para ver tudo com toda a atenção!
O teu afilhado é mais boxista, mas anda sempre a passear aqui dentro! Tens de vir cá para ainda o sentires... Combinado?
Beijos enormes para ti